Alimentação Sustentável e Biológica

Publicado por Natureside em

Segundo a FAO – Food and Agriculture Organization of the United Nations - uma dieta sustentável tem baixo impacto ambiental e contribui para a segurança alimentar e nutricional da população, assim como para o seu estado de saúde, tanto no presente como no futuro. As dietas sustentáveis protegem e respeitam a biodiversidade e o ecossistema. Para além disso, uma dieta sustentável é culturalmente aceite, nutricionalmente adequada, acessível pela população, segura e economicamente justa. 1

Segundo vários estudos, verifica-se que os portugueses consomem mais produtos de origem animal do que vegetal e mais de 3,5 milhões de portugueses (34% da população) têm um consumo de carne superior a 100g por dia. 2 Sabe-se que uma alimentação rica em produtos de origem animal, principalmente proveniente de ruminantes, tem um enorme impacto ambiental. Também na saúde o excesso de proteína animal é prejudicial a vários níveis. 3

Como exemplo de um padrão alimentar saudável e dos mais sustentáveis do mundo surge a Dieta Mediterrânica. Esta privilegia uma elevada ingestão de alimentos frescos, sazonais e pouco processados, ingestão moderada de produtos lácteos, ingestão preferencial de pescado ou carnes brancas apresentando fortes tradições gastronómicas e legado cultural, respeita a natureza e sazonalidade e tem um baixo impacto ambiental. Portanto, uma redução no consumo de produtos de origem animal, principalmente carne, é destacada como a principal estratégia para reduzir significativamente as emissões globais de gases efeito de estufa decorrentes das escolhas alimentares da população.2 3

Sendo assim seguem sete recomendações para uma dieta mais saudável e sustentável:

  1.  Aumente o consumo de alimentos de origem vegetal (leguminosas, cereais integrais, frutos oleaginosos e sementes);

  2. Privilegie alimentos não processados, de modo a minimizar a quantidade de recursos utilizados (água, combustível, etc.);

  3. Opte por alimentos de origem biológica, uma vez que o impacto ambiental da agricultura biológica é menor do que o da agricultura convencional;

  4. Prefira alimentos locais e sazonais, produzidos na proximidade tendo uma cadeia de distribuição curta e que se encontram em condições de maturação adequadas para consumo, apresentam um custo económico e ambiental inferior e possuem melhores características nutricionais e organoléticas (sabor, odor, cor);

  5. Compre alimentos com embalagens ecológicas ou a granel, isso ajudará a reduzir a quantidade de plástico, papel ou metal usados nos sistemas de distribuição atuais;

  6. Escolha produtos de comércio justo, apoie os pequenos produtores;

  7. Aprecie a comida, uma alimentação saudável pode ser saborosa aumentando a saúde e o bem-estar. Aventure-se na cozinha e experimente!4

Joana Almendra - Nutricionista natureside

Cédula Profissional nº 1483N

Ordem dos Nutricionistas

 

Referências Bibliográficas:

  1. Associação Portuguesa de Nutrição. Alimentar o futuro: uma reflexão sobre sustentabilidade alimentar. E-book nº 43. Porto: Associação Portuguesa de Nutrição; 2017.

  2. Lopes C et al. Inquérito alimentar nacional e de atividade física (IAN_AF) 2015-2016. Universidade do Porto; 2017.

  3. Associação Portuguesa de Dietistas. Alimentação sustentável para todos. Movimento 2020; 2015.

  4. Adaptado de Leitzman, C. Wholesome nutrition: a suitable diet for the new nutrition science project (2005). Public Health nutrition: 8 (6ª), 753-759.


Partilhar esta publicação



Publicação Mais Recente →